Gracielle Torres

Gracielle Torres

Qui, 19 de Julho de 2012 13:48

A tecnologia que estressa

Overdose de tecnologia pode causar estresse e ansiedade.

À lista que já inclui bebida alcoólica, drogas e cigarro insira tecnologia. Tá: nem tanto. Porém, algumas pesquisas associam computadores e internet ao surgimento ou intensificação de problemas neurológicos e psiquiátricos.

Um deles tem um nome sugestivo e atinge principalmente os jovens: tecnoestresse.

Causado pelo uso excessivo da tecnologia, o tecnoestresse provoca a dificuldade de concentração e aumenta a ansiedade. De forma semelhante ao que acontece com o vício, o jovem tecnoestressado pode, de acordo com especialistas, tornar-se agressivo ao ficar longe do computador.

Dessa forma, aliado aos já falados problemas oriundos da tecnologia (como a pedofilia na internet), novos problemas aparecem para atormentar quem talvez não perceba que está usando demais o computador, o smartphone, o tablet...

“A tecnologia disponibiliza vários estímulos simultâneos, que podem causar um esgotamento mental e trazer prejuízos para outras áreas da vida de uma pessoa, como o profissional ou pessoal”, afirma a psicóloga Ana Barone, professora do Centro Universitário Una.


ANSIEDADE De acordo com ela, a grande preocupação deve estar na perda do limite no trato com a tecnologia e a internet. Essa perda acarreta o aumento da ansiedade.

“A ansiedade é um sintoma do nosso tempo e nada mais é do que um aumento da expectativa sobre o resultado das coisas, sobre as expectativas criadas do que eu tenho que ser e como as coisas têm que me responder”, explica. A tecnologia, de certa forma, potencializa essa expectativa e, em alguns casos, a ansiedade.

LADO BOM A tecnologia, porém, não é de todo ruim. Muito pelo contrário. Diversos especialistas apontam os benefícios da internet no auxílio à educação, na promoção à conscientização sobre questões globais e na comunicação em geral.

“Há profissionais que usam a tecnologia como uma boa oportunidade para desenvolvimento de trabalho. Mas há que se fazer uma diferenciação sobre o uso que é feito dessa tecnologia”, afirma. De acordo com ela, é importante não perder de foco o limite entre o aceitável e o excessivo no que se refere ao uso das tecnologias.

 

Fonte: Jornal OTempo -  Anderson Rocha

Postado por: Gracielle Torres

Qui, 19 de Julho de 2012 13:39

Homem atraía jovens com falsa escolinha

Um jornalista aposentado de 59 anos, que se passava por técnico e dono de um time de futebol amador para aliciar e praticar sexo com adolescentes, é investigado pela polícia. O suspeito foi preso, na madrugada de sexta-feira, enquanto promovia uma festa em um sítio no bairro Tavares, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Conforme a Polícia Militar, foram flagrados no local pelo menos nove adolescentes, com idades entre 13 e 17 anos, que consumiam drogas e bebidas alcoólicas. Além do suspeito, havia outros quatro homens, com mais de 30 anos, no local. "Essa foi a terceira festa realizada no mesmo local, em menos de um mês. A única menina presente, de 17 anos, contou que já houve cenas de sexo no sítio", contou o tenente Noel Rosa.

O policial explicou que as festas tinham por objetivo atrair os adolescentes para a prática sexual. Um jovem de 17 anos teria mantido relações com o jornalista. Depois dele, um garoto de 15 anos passou a ser aliciado, com a mesma promessa de jogar em um time. "A diretora da escola onde ele estuda desconfiou de seu comportamento e falou com os pais, que acionaram a PM", acrescentou Rosa.

O jornalista teria confessado o crime. Ele foi autuado por exploração de menores.

 

Fonte: Jornal OTempo -  Ricardo Vasconcelos - 15/05/2012

Postado por: Gracielle Torres

Qua, 11 de Julho de 2012 15:52

Sexualidade na Adolescencia

Qua, 11 de Julho de 2012 11:03

Sexualidade Infantil

A educação sexual é muitas vezes um assunto gerador de polêmicas e controvérsias, muitas crianças, a partir de 1 ano, são estimuladas pelos pais a desenvolver sua sexualidade (trajando roupas curtas, danças sensuais), criando uma geração despertada precocemente à erotização, ao passo que outros pais não mencionam esse assunto.

A família é o contexto no qual a criança precisa obter a educação sexual, e não necessariamente quando proporcionam informações ou explicações, mas também quando a criança é tocada, cuidada pelos pais, através das brincadeiras e da maneira do relacionamento. Outro fator importante para a sexualidade da criança é a vivência do casal, quando este possui uma relação afetiva, os papéis e os limites de cada um são bem definidos.

O desenvolvimento emocional da criança deve ser observado durante a educação sexual, os pais precisam dar espaço para que as questões sejam colocadas e respondê-las com simplicidade, de forma que a criança entenda, considerando seu nível de maturidade e suas necessidades emocionais. Se as respostas forem insuficientes a criança continuará perguntando ou procurará obter a resposta em outros lugares, talvez não muito confiáveis. Respostas longas não são aconselhadas, pois tanto o excesso, quanto a não satisfação de informações ocasiona tensão e ansiedade.

Ao responder para a criança é importante que os pais observem suas atitudes, como: o tom de voz, a segurança nas informações, se estão a vontade ou não, uma vez que todos esses aspectos são percebidos pela criança sob a forma de informação.

 

Fonte: Equipe Brasil Escola -  Patrícia Lopes

Entrevistados pela pesquisa conversam, mandam SMS e postam no facebook.

São Paulo. Se digitar, não dirija. O alerta não vem em embalagens de celular, propagandas de operadoras nem foi abraçado por autoridades. Mas pesquisa feita com 350 jovens de 18 a 24 anos em cinco capitais brasileiras mostra que 59% deles escrevem na direção. São torpedos, posts no Facebook, conversas em chats.

O levantamento foi feito pelo Ibope em Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Recife. Perguntados se acham o hábito arriscado, 80% disseram que sim e um em cada três reconheceu que não faz nada para mudar.

Especialistas se mostraram preocupados com o resultado da pesquisa, encomendada pela seguradora Porto Seguro. "É como se o indivíduo dirigisse de olhos fechados e, quando precisa reagir (frear ou desviar), não dá tempo", diz o perito em acidentes Sérgio Ejzemberg. Para ele, apesar de o país não ter dados sobre colisões causadas por manuseio do celular,
"certamente elas estão ocorrendo e as pessoas, morrendo".

Seguradora não paga. Segundo o órgão norte-americano de segurança no trânsito, o NHTSA, ao teclar um simples "ok" o motorista aumenta em 23,6% a chance de sofrer um acidente. E, apesar de não ser uma exclusividade nacional, a pouca preocupação do brasileiro com atitudes preventivas é apontada pelo consultor em Engenharia Urbana Luiz Célio Bottura como parte do problema. "Ele não dá bola, acha que não vai acontecer nada", diz.

"Só que o seguro não paga o conserto se constata alguma irregularidade, como o uso do celular."

E são justamente as seguradoras que mais têm alertado para a questão.
"Iniciamos uma ação educativa na TV paga. Neste mês, faremos na TV aberta, em rádios e redes sociais. A peça mostra um condutor com os olhos tapados por cinco segundos (tempo de pegar o celular e teclar)", diz a gerente de marketing da Porto Seguro, Tanyze Maconato.

Em abril, a BB Mapfre já tinha lançado campanha em TV aberta e paga, mídia impressa, redes sociais e cinemas. No filme, um smartphone se aproxima do rosto de uma mulher -
até se chocar e se estilhaçar contra ele. "Acredito que vá chegar o tempo em que as empresas (de telefonia móvel) vão veicular advertências, como as de cigarro e bebida fazem atualmente", diz Paulo Rossi, superintendente de marketing da BB Mapfre. A opinião é compartilhada por Ejzemberg e Bottura.

Sozinha. A Claro é a única operadora que já desenvolve ações nesse sentido. Em fevereiro, lançou a ação "Basta uma Letra" em lojas próprias. Assinada pela Ogilvy Brasil, mostra uma vaca no fim de uma longa estrada. A Vivo informou que "incentiva os usuários a respeitar a legislação", a Oi disse à reportagem não ter campanha e a Tim não quis se manifestar.

 

 

Desculpas


"Culpados" se declaram "bons nisso"

São Paulo. "Olha, eu sou bom nisso!" É assim que o analista de sistemas Felipe Callegaro Magalhães Pereira, 24, responde se troca mensagens e dirige ao mesmo tempo.
"Na troca de marcha, controlando quem vem atrás, olhando se tem pedestre ou ciclista na via, avaliando se é preciso frear", diz, sem cerimônia. Tanta confiança, segundo Felipe, deve-se aos seus seis anos de habilitação e ao fato de conhecer "de cor e salteado" a posição das letras no teclado.

O estudante de publicidade e propaganda Douglas Abreu, 19, que acaba de completar um ano de carta, é outro que tecla ao volante. No início, mal digitava no farol vermelho. Mas foi só pegar mais confiança para deixar de resistir a ver o que tinha acabado de chegar – via torpedo, Facebook, Twitter, WhatsApp e até mesmo e-mail... E responder.


Uma geração que se prepara para ser multitarefa

São Paulo. Autor de dois livros sobre a chamada geração Y, aqueles nascidos após 1980, Sidnei Oliveira diz que não é exclusividade dos mais jovens misturar celular e direção. "A diferença é que esse pessoal até 24 anos vem se preparando para ser multitarefa desde criança, vê a tecnologia como extensão do próprio corpo e tem excesso de confiança."

O responsável pelo Núcleo de Dependência em Internet do Hospital das Clínicas de São Paulo, Cristiano Nabuco, diz que, em qualquer idade, estar conectado o tempo inteiro "gera uma sensação de pertencimento" que alimenta a vontade de se manter conectado. Ele prevê criar um núcleo só para viciados em smartphones no mês que vem.

E alternativas para o vício no trânsito começam a ser discutidas por especialistas. "Estou dirigindo, retorno depois", poderia ser uma mensagem para quem entra em contato.

 

 

Fonte: Jornal O Tempo - 10/07/2012

Após três casos envolvendo menores de idade, app não permite mais cadastro de adolescentes.

O aplicativo Skout, voltado para procurar parceiros, disponível para smartphones, fechou o cadastro para menores de idade após três casos de abuso sexual envolvendo crianças.

Três homens fingiam ser adolescentes no serviço, e usaram o Skout para encontrar e abusar de três menores de idade, segundo o The New York Times.

As acusações chocaram os diretores do Skout, que acreditavam ter desenvolvido um sistema seguro para evitar esse tipo de caso. "Eu tenho nojo do que aconteceu. Um caso é demais, mas três parece um padrão", afirmou o fundador do serviço, Christian Wiklund.

Segundo Wiklund, fechar o serviço para menores de idade foi a única opção encontrada pelo Skout após os casos, que aconteceram nos Estados Unidos.

O Skout permite a troca de fotos e mensagens e usam a localização do celular para procurar pessoas próximas ao usuário.

Ele foi feito para ser usado apenas para adultos, mas, quando os criadores perceberam a entrada de menores de idade, criaram mecanismos de segurança para autorizar o cadastro de adolescentes. Eles estavam em uma rede separada dos adultos, mas, nos três casos, os homens fingiram ser mais novos do que realmente eram para encontrar as crianças.

 

Fonte: Olhar Digital / UOL - 08/07/2012

Qui, 05 de Julho de 2012 16:15

Qual o perfil de um pedófilo?

Hoje pela manhã, quando navegava pelo site da Childhood, na seção de Perguntas e Respostas mais frequentes, deparei-me com a resposta para a seguinte pergunta:

P: Existe um perfil que identifique o indivíduo que abusa sexualmente de crianças ou adolescentes?

R: Não. Os abusadores podem ser pais, mães, padrastos ou madrastas, avós, tios e primos. Podem ser também vizinhos, babás, líderes religiosos, professores ou treinadores. Pertencem a todas as classes sociais, raças, orientações religiosas e podem ser homo ou heterossexuais. Alguns deles têm relações sexuais com outros adultos e não são unicamente interessados em crianças.

Logo depois li uma matéria no jornal O Tempo de hoje e gostaria de usá-la para ratificar plenamente a afirmação acima. Não há um perfil exato para caracterizar um abusador. Na grande maioria das vezes são pessoas comuns, que têm uma vida normal e com comportamento e sexualidade aparentemente normal, até serem descobertos. Nesta matéria, um pintor que foi acusado de abusar sexualmente de crianças, reúne 4 características que reafirmam a diversidade do perfil  que um abusador pode assumir: paternidade, relação parental com a vítima, heterosexual e atração não exclusiva por crianças.

Outro fato interessante desta notícia é a artimanha utilizada pelo abusador para se aproximar das vítimas: uniu diversão e tecnologia, dois atrativos irresistíveis para uma criança, criando um jogo interativo de perguntas e respostas, semelhante a uma gincana, cujos acertos levariam a uma recompensa e os erros ao "pagamento de uma prenda". Assim percebemos o quanto audaciosas e criativas são as ações de pedófilos para atrair crianças, muito embora todas elas caiam invariavelmente no poder do reforço positivo, ou seja, oferecer uma recompensa a um dado comportamento de modo a aumentá-lo. Neste caso o abusador oferecia dinheiro, mas muitos oferecem presentes, brinquedos e uma infinidade de recompensas atrativas para as crianças.

Proteger uma criança de alguém que não possui um perfil exato e nem um modo comum de agir, é uma tarefa que envolve educação sexual e senso crítico. Pais devem falar a seus filhos sobre abordagem sexual imprópria por parte de adultos ou colegas muito mais velhos e sobre troca de favores e presentes oferecidos por estranhos. Se a criança souber o que é ou não normal para sua sexualidade e aprender a recusar favores ou presentes de estranhos, não importando o quão atrativos eles sejam,  ela conseguirá identificar rapidamente a situação em que haja a combinação destes dois fatores cuidando de sua própria segurança.

 

Nota em 06/07/2012: Reafirmando ainda mais a diversidade do perfil de um pedófilo, acrescento ao final uma matéria que saiu hoje, 06/07/12, no Estado de Minas, sobre um homem de 77 anos acusado de abusar sexualmente de uma garota de 16 anos.

 

Por Gracielle Torres



 

Pintor cria jogo para abusar de adolescentes

 

Segundo a polícia, quem errasse as respostas de perguntas feitas pelo suspeito era obrigado a prestar favores sexuais a ele

 

Um pintor de 50 anos suspeito de estuprar a própria sobrinha, de 11 anos, e outras garotas adolescentes foi preso em Juiz de Fora, na Zona da Mata, na manhã de ontem. Para atrair as vítimas, ele convidava as meninas para participarem de uma gincana, por meio de celular.

"Quem acertava as perguntas que ele enviava ganhava R$ 50 em dinheiro. Já quem perdesse deveria prestar favores sexuais ao suspeito, como fazer sexo oral com ele, conforme constatamos em mensagens encontradas no celular de uma das garotas", explicou o delegado Leonardo Bueno Procópio, da Delegacia de Proteção e Orientação à Família.

Uma menina de 12 anos, amiga da sobrinha do suspeito, foi convidada pela vítima para participar do jogo, mas estranhou o conteúdo sexual da mensagem recebida e avisou a mãe. A mulher denunciou o caso à Polícia Civil, que armou uma emboscada para o suspeito na manhã de ontem.

Casado e pai de um casal de adolescentes, o pintor foi pego em flagrante, alisando os cabelos e os braços da amiga da sobrinha. Na casa dele, a polícia encontrou material pornográfico.

Encaminhado ao Centro de Remanejamento de Segurança Prisional de Juiz de Fora, o homem deve ser indiciado por corrupção de menores e favorecimento à prostituição e à exploração sexual. A pena pode passar de 30 anos de prisão.

De acordo com o delegado, o resultado dos exames médicos feitos na sobrinha do suspeito, que pode confirmar se houve o estupro, deve ser conhecido amanhã.


Fonte: Jornal O Tempo - 05/07/2012

 

 


 

Idoso é preso por pagar adolescente de 16 anos para fazer sexo


O homem foi preso durante uma blitz na Rua Caetano Pirri, no Bairro Milionários. A jovem estava no carro e acabou contando que recebia dinheiro e lanches em troca de favores sexuais

Um idoso de 77 anos foi preso na noite de quinta-feira por pagar uma adolescente para fazer sexo com ele. O homem foi flagrado durante uma blitz na Rua Caetano Pirri, no Bairro Milionários, Região do Barreiro. Os policiais sinalizaram para que o motorista, condutor de um Ford Ka, parrasse no bloqueio, mas perceberam que o homem ficou muito nervoso. O homem é inabilitado, mas além disso havia outro problema com o motorista.

Os policiais perceberam que no banco de trás estava uma adolescente de 16 anos usando uma blusa com capuz. Ela tentou se esconder, mas o militares ordenaram que saísse do veículo. A menor revelou aos policiais que conheceu o idoso há cerca de dois meses, quando começou a receber dinheiro em troca de favores sexuais.

O homem dava R$ 10 ou R$ 20, além de pizzas e sanduíches para que a jovem tivesse relações com ele. A adolescente relatou que mora com a mãe e havia faltado de aula para se encontrar com o idoso. Disse que a mãe não sabia dos encontros, por isso entrou no carro encapuzada para não ser vista.

Saiba mais...
Pintor é preso em flagrante por aliciar e abusar sexualmente de duas meninas A PM prendeu o idoso em flagrante por favorecimento de prostituição de menores e foi até a casa dele. No local encontrou a mochila da adolescente. Ela deixou material na residência para sair com o idoso. Os dois iriam comprar um pizza e voltariam ao imóvel para fazer sexo.

Os militares entraram em contato com a mãe da jovem, que é cozinheira. Ela alegou que trabalha o dia todo e nem imaginava que a filha estava se prostituindo. Achou que a menina ficava na escola. O idoso foi encaminhado para a Delegacia do Barreiro para autuação.
Acompanhe também o EM.com pelo Twitter


Fonte: Jornal  Estado de Minas - Luana 06/07/2012


Qui, 05 de Julho de 2012 15:00

Pintor cria jogo para abusar de adolescentes

Segundo a polícia, quem errasse as respostas de perguntas feitas pelo suspeito era obrigado a prestar favores sexuais a ele

Um pintor de 50 anos suspeito de estuprar a própria sobrinha, de 11 anos, e outras garotas adolescentes foi preso em Juiz de Fora, na Zona da Mata, na manhã de ontem. Para atrair as vítimas, ele convidava as meninas para participarem de uma gincana, por meio de celular.

"Quem acertava as perguntas que ele enviava ganhava R$ 50 em dinheiro. Já quem perdesse deveria prestar favores sexuais ao suspeito, como fazer sexo oral com ele, conforme constatamos em mensagens encontradas no celular de uma das garotas", explicou o delegado Leonardo Bueno Procópio, da Delegacia de Proteção e Orientação à Família.

Uma menina de 12 anos, amiga da sobrinha do suspeito, foi convidada pela vítima para participar do jogo, mas estranhou o conteúdo sexual da mensagem recebida e avisou a mãe. A mulher denunciou o caso à Polícia Civil, que armou uma emboscada para o suspeito na manhã de ontem.

Casado e pai de um casal de adolescentes, o pintor foi pego em flagrante, alisando os cabelos e os braços da amiga da sobrinha. Na casa dele, a polícia encontrou material pornográfico.

Encaminhado ao Centro de Remanejamento de Segurança Prisional de Juiz de Fora, o homem deve ser indiciado por corrupção de menores e favorecimento à prostituição e à exploração sexual. A pena pode passar de 30 anos de prisão.

De acordo com o delegado, o resultado dos exames médicos feitos na sobrinha do suspeito, que pode confirmar se houve o estupro, deve ser conhecido amanhã.

Fonte: O Tempo Online-  05/07/2012

Prisões foram em Abaeté, Carbonita, Ouro Fino, Uberaba e Uberlândia.
Ao todo, 12 mandados de busca e apreensão são cumpridos no estado.


A Polícia Federal (PF) informou, na tarde desta quinta-feira (28), que seis pessoas foram presas em Minas Gerais durante a operação “DirtyNet”, que combate a pornografia infantil na internet. De acordo com o delegado Jader Lucas Pinto Gomes, cinco delas foram detidas em flagrante e uma em decorrência de cumprimento de mandado de prisão preventiva. Segundo a PF, as prisões foram realizadas em Abaeté, na Região Central; Carbonita, na Região dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri; Ouro Fino, na Região Sul; Uberaba e Uberlândia, no Triângulo Mineiro.

Ainda segundo a polícia, no estado, além dos seis detidos, outras quatro pessoas são suspeitas de integrar a quadrilha que compartilhava arquivos de pornografia infantil na rede mundial de computadores. Uma delas está foragida.

A Polícia Federal também informou que 12 mandados de busca e apreensão são cumpridos em Minas Gerais. Além das cidades onde foram feitas as prisões, policiais realizam buscas em Itajubá, no Sul de Minas, Pedro Leopoldo e Itabira, na Região Central; Bambuí e Divinópolis, no Centro-Oeste.

Em Uberaba, onde duas pessoas foram presas, brinquedos, DVDs infantis e HDs de computadores contendo imagens de pornografia infantil foram apreendidos na casa dos suspeitos. Uma garrucha e câmeras fotográficas também foram recolhidas pela Polícia Federal.

11 estados e Distrito Federal
A Operção “DirtyNet” também é realizada na Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo. No fim da tarde, a Polícia Federal divulgou que 32 pessoas haviam sido presas no país.

A PF começou a monitorar a quadrilha há seis meses através de redes privadas de compartilhamento de arquivos. Os suspeitos atuavam no anomimato. Os arquivos compartilhados pela quadrilha continham cenas de adolescentes, crianças e bebês em contexto de abuso sexual.

Os policiais identificaram também na rede relatos de outros crimes contra crianças, como uma menção a estupro cometido contra os próprios filhos, sequestros, assassinatos e atos de canibalismo.
A operação surgiu após uma informação recebida em uma ação anterior realizada pela PF, a "Caverna do Dragão", em que se descobriu que um dos investigados fazia parte de uma rede de pedofilia com 160 pessoas, segundo a delegada Diana Kalazans Mann.

"São lesões corporais cometidas contra crianças no meio de fantasias sexuais macabras, inclusive com extração de pedaços, e relatos abomináveis. Do que já chegou para mim, é o que eu vi de pior", disse a delegada.

Dentre os membros do grupo, 97 eram do exterior e 63 do Brasil. Só integrava a rede quem era convidado, necessitando de aprovação, diz a delegada.

As fotos não eram vendidas, mas trocadas entre os usuários. Todas as imagens eram de crianças até 12 anos.

Os brasileiros investigados compartilhavam material de pornografia infantil com usuários da internet de outros 34 países: Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia, Canadá, Chile, Colômbia, Croácia, Emirados Árabes Unidos, Equador, Estados Unidos, Filipinas, Finlândia, França, Grécia, Indonésia, Iran, Holanda, Macedônia, México, Noruega, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Rússia, Sérvia, Suécia, Tailândia e Venezuela.

Através da Interpol, a PF alertou os países envolvidos sobre o caso para continuar as investigações.

 

Fonte: Portal G1 -  28/06/2012

Em Minas, são cumpridos 12 mandados de prisão, busca e apreensão Pedro Leopoldo, Carbonita, Itabira, Abaeté, Uberaba e Uberlândia, Itajubá, Ouro Fino.


A Polícia Federal faz nesta quinta-feira uma operação de combate a uma quadrilha que compartilha material de pornografia infantil pela internet. Serão cumpridos 50 mandados de busca e apreensão e 15 mandados de prisão em Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Ceará, Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal. Em Minas, a Operação DirtyNet procura alvos em Pedro Leopoldo, Carbonita, Itabira, Abaeté, Uberaba e Uberlândia, Itajubá, Ouro Fino. Ao todo, 12 ordens judiciais foram cumpridas no estado e cinco pessoas presas.

Estão na mira dos policiais suspeitos nas cidades de Porto Alegre, Esteio e Santa Maria (RS), Curitiba, Foz do Iguaçu, Maringá e Guaíra (PR), Fortaleza (CE), Natal (RN); Rio de Janeiro, Niterói e Nova Iguaçu (RJ), São Paulo, Santos, São José dos Campos e Piracicaba (SP), Recife (PE), Salvador (BA), São Luís do Maranhão (MA), Vitória (ES) e Brasília (DF).

As investigações para a operação começaram há seis meses. Os policiais monitoram redes privadas de compartilhamento de arquivos na internet, onde foram detectadas intensas trocas de material de cunho sexual envolvendo crianças e adolescentes.

Os integrantes da quadrilha trocavam milhares de arquivos contendo cenas degradantes de adolescentes, crianças e até bebês em contexto de abuso sexual. Segundo a PF, eles aproveitavam da suposta condição de anonimato na rede, mas nunca imaginariam que estava sendo monitorados.

De acordo com a polícia, além da troca de arquivos foram identificados ainda relatos de outros crimes praticados pelos envolvidos contra crianças, inclusive com menção a estupro cometido contra os próprios filhos, sequestros, assassinatos e atos de canibalismo.

Rede internacional

Conforme mostraram as investigações, os integrantes do bando no Brasil compartilhavam material de pornografia infantil com usuários da internet em mais 34 países - Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia, Canadá, Chile, Colômbia, Croácia, Emirados Árabes Unidos, Equador, Estados Unidos, Filipinas, Finlândia, França, Grécia, Indonésia, Iran, Holanda, Macedônia, México, Noruega, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Rússia, Sérvia, Suécia, Tailândia e Venezuela.

A PF já comunicou através da Interpol os países envolvidos para que os seja dado prosseguimento às investigações a fim de identificar todos os envolvidos.

 

Fonte: Jornal Estado de Minas - Luana Cruz -  28/06/2012

Postado por: Gracielle Torres

<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>
Página 10 de 12